Mamoplastia e Amamentação

Prótese de mama: Antes ou depois da amamentação?

09claudiabebe-sagitario

Uma das maiores dúvidas entre mulheres que desejam realizar a Cirurgia de Inclusão de Prótese de Silicone de Mama (Mamoplastia de Aumento) é a hora certa de realizá-la. Informações erradas devido à crescente exposição na mídia sobre o assunto, levam as pacientes ao medo e à dúvida, ao invés de esclarecer corretamente os fatos. Entre as mais variadas está uma das mais comuns perguntas: “Posso realizar a Mamoplastia logo após o parto, durante a amamentação ou preciso esperar?”.

Antes de responder diretamente à pergunta, é preciso explicar algumas alterações no corpo da mulher durante a gestação e após o parto.

Durante a gravidez e principalmente após o parto, a mama sofre um grande estiramento devido à produção de leite. A pele, por ser um tecido elástico, acompanha o crescimento dos seios, mas não pode suportar sua velocidade, gerando flacidez e o aparecimento de estrias. Entretanto, não é somente em decorrência da produção de leite que os seios aumentam de tamanho. A gestante engorda, em casos ideais, cerca de um quilo por mês, aumentando o volume de gordura na mama. Portanto, quanto mais a paciente engordar, maiores ficarão seus seios.

700-00616636

A Mamoplastia de Aumento não pode ser indicada para lactantes porque a mama ainda não terá diminuído de tamanho para que a prótese seja colocada de forma correta e de tamanho apropriado. Muito pelo contrário, se a Mamoplastia for realizada nesse período a prótese escolhida provavelmente será menor do que deveria e sobrará pele ao término da amamentação, tornando a mama ainda mais caída. O tempo certo para a realização da Mamoplastia deve ser alguns meses após cessar a amamentação, pois desse modo infecções indesejadas para a mãe são evitadas e os resultados da cirurgia são garantidos com sucesso.

O melhor a se fazer é adiar a Mamoplastia para cerca de três meses, pelo menos. Mas, durante a gestação e a amamentação, é possível evitar grandes estiramentos de pele e consequentes estrias e flacidez com uma boa hidratação diária da pele e cuidados com a alimentação, evitando o excesso de engorda.

Fonte: http://www.plasticamontenegro.com.br/

Boa relação entre mãe e filho reduz risco de obesidade na adolescência

84282

A qualidade do relacionamento entre a mãe e o seu pequeno pode afetar a probabilidade de a criança desenvolver obesidade durante a adolescência, sugere novo estudo realizado pela Ohio State University (Estados Unidos). Os resultados aparecem no periódico Pediatrics.

Para chegar à conclusão, os estudiosos analisaram dados de 997 participantes do Study of Early Child Care and Youth Development, um projeto do Eunice Kennedy Shriver National Institute of Child Health and Human Development. A amostra inclui diversas famílias, cujas crianças nasceram em 1991.

Observadores treinados avaliaram o apego da criança à mãe e a sensibilidade materna, documentando as interações entre mãe e filho em três épocas: quando os pequenos tinham 15, 24 e 36 meses de idade. Para medir a sensibilidade materna, as mães foram instruídas a brincarem com seus filhos, enquanto os pesquisadores pontuavam vários aspectos do comportamento da mãe, o que inclui apoio e respeito pela autonomia da criança, assim como sinais de intromissão e hostilidade.

Os investigadores também avaliaram a segurança na relação de crianças de 15 e 36 meses com a mãe, monitorando os momentos de separação e reencontro com suas mães. Aos 24 meses de idade, os pesquisadores avaliaram essa segurança observando o relacionamento em casa.

A sensibilidade maternal se refere à habilidade da mãe em reconhecer o estado emocional de sua criança e responder com conforto, consistência e carinho. Psicólogos descrevem uma criança com ligações seguras com sua mãe como aquelas que têm nos pais uma espécie de “porto seguro”, o que permite que os pequenos explorem os ambientes de forma livre, se adaptem às pessoas facilmente e sejam confortadas em situações de estresse. Crianças de um a três anos que possuem ligações inseguras tendem a ter experiências negativas com seus pais e podem responder ao estresse com raiva extrema, ansiedade e evitar ou recusar interação com outras pessoas.

Índice de qualidade mãe-filho
Usando estes fatores – sensibilidade materna e segurança na ligação da criança com sua mãe – os pesquisadores desenvolveram um índice de qualidade de relação mãe-filho, que variava de zero a seis e servia para medir a experiência de relacionamento dos pequenos: cada ponto refletia uma amostra de ligação insegura da criança ou baixa sensibilidade da mãe. Uma pontuação igual ou maior a três indicava um relacionamento de qualidade pobre.

Depois, os pesquisadores calcularam o índice de massa corpórea (IMC) da criança usando seu peso e altura em idade próxima aos 15 anos. O IMC foi convertido em percentuais por idade e sexo, com base na tabela de crescimento desenvolvida pelo Centers for Disease Control and Prevention. De acordo com essas diretrizes, a criança foi considerada obesa se o percentual foi equivalente ou maior a 95 nessa tabela.

Ao todo, 241 crianças (ou 24,7%) foram classificadas como portadoras de um relacionamento pobre com suas mães durante a infância. Entre elas, a prevalência de obesidade na adolescência foi de 26,1%. A ocorrência de obesidade foi menor entre aqueles que mantiveram boas relações: 15,5%, 12,1% e 13% entre mães e filhos com pontuação de dois, um e zero, respectivamente. Desse modo, os pequenos que tiveram relacionamentos de baixa qualidade com suas mães logo no começo da vida eram quase duas vezes e meia mais propensos à obesidade quando adolescentes do que aquelas crianças que mantiveram relacionamentos melhores com suas mães.

Para os pesquisadores, a associação entre as experiências durante a infância e a obesidade na adolescência tem origem no cérebro. O sistema límbico do cérebro controla a resposta ao estresse, assim como o ciclo sono-vigília, fome e sede e mais uma variedade de processos metabólicos, principalmente por meio da regulação hormonal. Eles acreditam que pais sensíveis criam um vínculo afetivo saudável com seus pequenos, melhorando a resposta ao estresse. Essa resposta bem regulada pode interferir na forma como a criança dorme e se ela come em resposta à angústia emocional – e esses são dois dos fatores que influenciam a probabilidade de obesidade.

A obesidade pode ser uma manifestação de irregularidades no funcionamento do sistema de resposta ao estresse. Os pais ajudam a criança a desenvolver a habilidade de responder de maneira saudável ao sentimento, protegendo o seu pequeno de níveis extremos de estresse.

Pais omissos geram crescimento da obesidade infantil
Falta pulso firme aos pais na hora de controlar a dieta dos filhos. A conclusão é de um estudo, realizado na Escola de Medicina de Harvard (EUA), a respeito do crescimento dos casos de obesidade infantil. Após acompanhar a rotina de 440 pais de crianças com sobrepeso ,os médicos descobriram que o problema, na maioria das vezes, não está na falta de informação: os adultos sabem o que prejudica a saúde dos filhos, mas sentem-se inseguros em proibir os maus hábitos.

Os pais foram estimulados a vetar a televisão na hora das refeições, reduzir o consumo de fast-food, cortar os refrigerantes, obrigar a prática de exercícios físicos e aumentar o número de refeições feitas. Mas nem sempre as mudanças aconteceram: muitos adultos sentiam-se castigando as crianças ao assumir algumas das medidas as limitações quanto ao uso da televisão e as refeições em família foram as regras mais desrespeitadas. O grupo incluía pais de crianças com idades entre dois e doze anos.

“As crianças aprendem muito com os exemplos. Se os pais proíbem as refeições em frente da televisão, mas fazem lanches na cama, perdem a autoridade”, afirma a nutricionista, Roberta Stella. “Para manter a saúde e o peso ideal, a rotina de toda a família precisa ser saudável. Sem diferenças, fica mais fácil manter a linha: se ninguém em casa toma refrigerante, por exemplo, a tentação some da geladeira”

O estudo também identificou que os adultos que se mantinham no peso ideal mostraram-se mais à vontade para impor as proibições às crianças ao contrário dos pais obesos, mais relutantes em manter as restrições. A autoconfiança também se apresentou diretamente proporcional ao nível de estudo dos pais: aqueles com graduação superior mantiveram-se mais firmes.

Fonte: http://www.dietaesaude.com.br/

Mães, parabéns pelo seu dia!

layout-dr erik nery