Saiba tudo sobre Implante Capilar

O Implante ou transplante capilar tem desenvolvido tremendamente na última década. Os resultados ‘cabelo de boneca’ ficaram para trás, e a era de unidades foliculares finalmente chegou. Com esta técnica, junto com novos instrumentos, o cirurgião especialista poderá criar uma aparência natural dos cabelos transplantados, adequada à cada paciente individualmente. A cirurgia da restauração capilar é um procedimento complexo, que requer habilidade tanto cirúrgica quanto artística.

 

Entenda o procedimento. 

Perda de cabelo e calvície são, muitas vezes, uma parte inesperada e indesejada da vida. Felizmente, com os recentes avanços na tecnologia, a perda de cabelo pode ser diminuída ou interrompida e existem soluções para o afinamento do cabelo e a calvície. Os transplantes capilares são uma solução efetiva e permanente para a reposição capilar em candidatos adequados. As técnicas de transplante capilar têm sido usadas desde o início dos anos cinquenta. Entretanto, diferentemente dos primeiros procedimentos que eram conhecidos por cultivar cabelos em montinhos, ou que cresciam em ângulos esquisitos, as técnicas de transplante capilar de hoje evoluíram para procedimentos altamente precisos que usam implantes muito menores e produzem cabelo uniforme, de aparência natural, em áreas onde houve perda capilar.

Para entender como funcionam os transplantes capilares, é útil conhecer algumas noções básicas sobre a anatomia capilar. Um cabelo típico é formado por haste, que é a parte que você pode ver acima da pele, e o folículo capilar, sob a superfície. O cabelo tende a crescer em pequenos feixes, que são chamados de unidades foliculares. Uma unidade folicular consiste de 1-4 folículos capilares com cabelos inteiros, 1-2 vellus finos, glândulas sebáceas, um pequeno músculo, nervos, e vasos sanguíneos. Cada unidade folicular está envolvida por uma faixa de colágeno e estas unidades podem ser consideradas estruturas independentes, quando vistas de perfil sob o microscópio. Na superfície, as unidades foliculares aparecem como um pequeno grupo de cabelos crescendo juntos. Os transplantes capilares realocam unidades foliculares intactas de uma área doadora segura, na parte de trás e nos lados da cabeça, para áreas calvas ou afinadas. Os folículos retirados das áreas doadoras não são geneticamente inclinados para a calvície e, uma vez transplantados, continuarão a produzir cabelo durante a vida do paciente.

Tipos de transplantes
Existe uma variedade de técnicas de transplante capilar e duas das técnicas mais populares hoje são conhecidas como transplantes de micro/mini-enxertia e unidade folicular. Ambos os processos podem ser feitos com a dissecação de uma pequena faixa de folículos capilares da área doadora. Os transplantes de unidade folicular também podem ser retirados num processo chamado extração da unidade folicular (FUE), onde um “punch” de um milímetro ou menos de diâmetro é utilizado para remover as unidades foliculares individuais. Ao retirar os folículos de uma faixa, a diferença-chave entre os transplantes de micro/mini-enxertia e unidade folicular é que os micro/mini-enxertos são dissecados manualmente em mini-enxertos de um a seis cabelos com pele entre os folículos, enquanto o método da unidade folicular leva a faixa sob o microscópio para remover a pele sem cabelo interfolicular e disseca manualmente as unidades foliculares individuais, contendo de um a quatro cabelos.

Que procedimento devo usar?
A determinação da técnica de transplante capilar correta para você é uma questão de escolha pessoal, baseada em fatores tais como tempo do procedimento, tempo que você está disposto a esperar pelos resultados e número de procedimentos necessários. Em geral, a micro/mini-enxertia pode transplantar mais cabelos de uma vez e os transplantes de unidade folicular são mais lentos, mas podem criar uma aparência mais natural. Entre os procedimentos da unidade folicular, o procedimento da retirada da faixa é mais rápido e, em geral, menos caro que a extração da unidade folicular. A técnica FUE produz cicatrizes múltiplas, extremamente pequenas, que são difíceis de perceber, e o procedimento da faixa produz uma única cicatriz, que pode ser disfarçada sob o cabelo existente. Esta animação irá examinar, principalmente, os transplantes de unidade folicular, mas cada um dos tratamentos pode produzir os resultados desejados.

Procedimento de doação
Os transplantes capilares necessitam de dois procedimentos cirúrgicos: um, para a obtenção das unidades foliculares, e outro, para o implante dos enxertos. Ambos os procedimentos são realizados durante a mesma consulta. Seu escalpo será esfregado com uma solução desinfetante e um anestésico local, que, em geral, é composto de lidocaína e epinefrina, será injetado para adormecer a área e ajudar a controlar o sangramento. Uma incisão ou “punch” será utilizada para cortar verticalmente o escalpo para recolher os cabelos do doador sem danificar as unidades foliculares. Em geral, as incisões são profundas o suficiente para recolher a unidade folicular inteira, assim como alguma gordura que pode ser coletada enquanto se trabalha com os enxertos. A técnica FUE irá remover unidades foliculares individuais. A técnica de faixa implica a coleta de uma faixa fina de tecido doador, que é, em seguida, dividido em enxertos de unidades foliculares individuais por uma equipe de técnicos. Após o recolhimento do tecido doador, a região é suturada e fechada com pontos ou pequenos grampos.

Procedimento de recebimento
O transplante de unidades foliculares na área receptora exige a realização de incisões múltiplas, muito pequenas, com a espessura de uma agulha, para posicionar cada unidade folicular ou microenxerto. Uma pequena lâmina ou agulha pode ser utilizada para realizar cada incisão na profundidade apropriada para os enxertos capilares. Normalmente, no processo de reposição, é utilizada uma combinação de unidades foliculares. Unidades capilares individuais são normalmente utilizadas na linha de frente (“hairline”). Unidades com dois ou mais cabelos são utilizadas atrás da linha de frente e aquelas com três ou quatro cabelos são utilizadas mais atrás para aumentar o volume. A densidade das unidades transplantadas também aumenta atrás da linha de frente. Os transplantes são colocados de modo aleatório e irregular, para imitar a natureza, e o médico deve tomar cuidado para posicioná-los de acordo com o ângulo e direção em que os cabelos irão crescer, para o resultado ser uma linha de frente com aparência natural. Após o transplante, as incisões da área recebedora irão cicatrizar em poucos dias.

Recuperação e resultados
O escalpo contém um grande número de vasos e, imediatamente após o transplante, o tecido circundante começa a nutrir os folículos transplantados. Você deve ser capaz de voltar ao trabalho e à maior parte das atividades normais no dia seguinte ao procedimento, mas deve evitar exercícios exaustivos ou levantamento de peso até que algum ponto não absorvível na área doadora seja removido, em 7 a 12 dias. Quando a cicatrização começa, algumas crostas podem se desenvolver na base do enxerto. Após vários dias, estas podem ser removidas suavemente durante a lavagem. A maior parte dos cabelos transplantados irá cair cerca de 2 a 4 semanas após a cirurgia, mas os folículos irão permanecer e o cabelo que foi transplantado pode necessitar de 3 a 5 meses para começar a crescer. Uma vez que o cabelo comece a crescer, haverá uma progressiva melhora cosmética, que irá continuar por até 12 a 15 meses após a cirurgia.

Independentemente da técnica de transplante escolhida, você pode necessitar de um segundo ou mesmo possivelmente de um terceiro procedimento, dependendo da extensão da sua perda capilar e do grau de cobertura desejado. Em geral, os procedimentos de acompanhamento são realizados em cerca de oito meses, quando todos os enxertos implantados estão crescidos. Como alguns dos cabelos ao redor do transplante podem continuar a cair, um transplante capilar futuro pode ser recomendável para manter uma cobertura igualada. Consulte um profissional de reposição capilar, que irá considerar o seu padrão particular de calvície, o grau de perda capilar e as suas necessidades, de modo a determinar a melhor técnica e a quantidade de cobertura para obter resultados excelentes para a aparência que você deseja.

Fonte: Site do Dr. Erik Nery

www.eriknery.com.br

 

O que a perda de cabelo significa para mim e a minha imagem

Dizer que cada pessoa é um indivíduo único é um pouco banal, mas é um ditado banal que também é verdadeiro. Nós herdamos genes de nossos pais que moldam nosso ser físico e vivemos em ambientes sociais e culturais que influenciam a nossa forma de pensar e agir. Uma das conseqüências de nossa individualidade é a forma como nos vemos, a nossa auto-imagem, como nos percebemos e como esperamos e nos esforçamos para sermos percebidos por outras pessoas. O “eu” que eu me imagino ser, que eu vejo no espelho, e que eu espero para apresentar aos outros é muito influenciado por características estéticas do meu rosto e da cabeça.

A queda de cabelo pode perturbar significativamente a auto-imagem e deixar preocupações sobre como pode ser percebido por outros. A preocupação com a perda de cabelo pode levar a uma decisão de consultar um médico especialista em restauração capilar.

O que eu quero que o médico especialista em restauração de cabelo realize? Para chegar a esse entendimento com o médico, é útil que seja colocado em palavras o que consideram ser os efeitos negativos da perda de cabelo. Essa percepção varia de pessoa para pessoa e raramente é apenas uma preocupação sobre uma careca ou um traço grosseiro. O mais provável é que uma série de efeitos negativos percebidos são organizados em torno de uma grande preocupação sobre a auto-imagem, por exemplo, a perda de atratividade, parecendo mais velho do que parece, constrangimento sobre o “careca”, perda de auto-confiança.

Quando o médico especialista em restauração capilar entende as mais abrangentes preocupações sobre a perda de cabelo, o próximo passo é:
~>Determinar o que se espera da restauração capilar para realizar;
~> Qual a melhor abordagem para a realização meus objetivos;
~>Chegar a acordo sobre a abordagem mais eficaz para a restauração do cabelo, o resultado provável de restauração do cabelo, a quantidade de tempo que terá de se comprometer com o processo, e as expectativas de custos e tomada de decisão em Cirurgia de Restauração Capilar.

Da mesma forma que deve-se ajudar o médico a compreender como você acredita que a perda de cabelo afeta sua auto-imagem, é preciso trabalhar com o médico para ter certeza de que ambos entendem o que se quer dizer quando é usado termos amplamente descritivos, como “cabeça cheia de cabelos”, “muito fino”, “aparência mais jovem”, etc. Tais condições podem ser muito significativo em termos de auto-imagem, mas eles não são úteis para um especialista que deve planejar a restauração do cabelo para atender específica metas da estética, tais como colocação de fio e densidade do cabelo. A preocupação do médico é entender suas preocupações sobre a perda de cabelo e as expectativas para a restauração da auto-imagem, e para tratar com sucesso a eles com a ciência e arte de restauração capilar.

Fonte: http://www.ishrs.org/articles/

Opções Cirúrgicas: Redução da Área Calva e Retalhos

A redução da área calva é uma cirurgia que remove um segmento da pele calva, habitualmente do topo do couro cabeludo e da coroa. A cirurgia de retalho é aquela pela qual um retalho de couro cabeludo é transferido da parte lateral e posterior do couro cabeludo, permanecendo presa à área lateral da têmpora.

Desse ponto fixo na têmpora o retalho recebe sua nutrição. Essa faixa de tecido gira então em torno de sua base, sendo suturada ao longo da linha frontal. A redução de área calva e os retalhos são cirurgias menos freqüentes nessa era de grandes sessões de pequenos enxertos. No caso de pacientes com o tipo ideal de couro cabeludo e calvície, os prós e contras dessas cirurgias devem ser discutidos com um cirurgião que tenha experiência nessas técnicas.

Como saber se sou um bom candidato à cirurgia de transplante de cabelos?

 Os fatores determinantes para o médico avaliar se um paciente é um bom candidato à cirurgia de transplante de cabelos incluem por exemplo: o estado de saúde do paciente, a textura de seu cabelo (fino ou grosso), o contraste entre a cor do cabelo e a cordo couro cabeludo, a densidade, isto é, o número de folículos por centímetro quadrado na área doadora, o tamanho da área doadora e da área a ser recoberta, se o paciente já foi previamente submetido a transplantes de cabelo, seus objetivos e expectativas. Um diagnóstico acurado e decisões sobre tipo de tratamento requerem um exame clínico feito pelo médico e uma discussão franca com o paciente sobre suas perspectivas. O médico deverá fazer uma estimativa dos custos do procedimento ou procedimentos. O paciente deve entender que o transplante de cabelos redistribui os folículos existentes e não tem o poder de criar novos folículos.

 Quais são os tratamentos clínicos atualmente disponíveis?

A Finasterida (Propecia ®) medicação oral de prescrição médica, foi introduzida no mercado na década passada. A Finasterida oral foi aprovada apenas para o uso masculino. Estudos científicos demonstraram o renascimento de cabelos em um numero significativo de homens e a parada de queda de cabelo em uma porcentagem ainda maior. A ação da Finasterida faz diminuir a formação da DHT (Dihidro Testosterona), um hormônio em grande parte responsável pela calvície

hereditária masculina. Essa ação não afeta a Testosterona, o hormônio responsável pela masculinidade. Por essa razão, qualquer efeito secundário que possa envolver disfunção sexual masculina é moderado e ocorre em menos de 2% dos pacientes que fazem uso dessa substância. A Finasterida está no mercado
há 10 anos tendo se mostrada segura e eficiente. A Finasterida (Propecia ®) funciona melhor na fase inicial da calvície ou na perda moderada de cabelos, podendo também ser usada para ajudar os pacientes com perda mais avançada de cabelos com o objetivo de preservar seus cabelos remanescentes. Seu uso é sugerido pelos cirurgiões de transplante de cabelos como uma medicação eficiente para deter ou reverter a perda de cabelos na calvície hereditária masculina em muitos homens. É freqüentemente utilizada com tratamento complementar dos pacientes submetidos ao transplante. O Minoxidil tópico (Rogaine® ) está no mercado há 15 anos, demonstrando eficiência em diminuir a queda de cabelos porém menos eficaz em promover novo crescimento de cabelos. A concentração maior (solução a 5%) está agora disponível para homens e se mostrou mais eficaz do que a solução a 2%. A solução a 5% geralmente não é recomendada para mulheres pois pode estimular o crescimento de pelos na face e também porque alguns estudos sugerem que nas mulheres não é mais eficaz do que a solução a 2%. Tanto a Finasterida como o Minoxidil devem ser usados de maneira contínua para manter os resultados. Caso a medicação seja suspensa, a evolução da calvície recomeça. Essas medicações podem não funcionar para todas as pessoas, no entanto ambas tem relatos provados de evolução demonstrando uma melhora significativa em muitos pacientes. O tratamento combinado com solução de Minoxidil e Finasterida oral pode prover um benefício adicional para homens com calvície hereditária.

 Como encontro um cirurgião qualificado para transplante de cabelos?

 A Sociedade Internacional de Cirurgia de Restauração Capilar (International Society of Hair Restoration Surgery – ISHRS) é a maior sociedade no gênero dedicada ao avanço dos conhecimentos e das técnicas relacionadas ao transplante de cabelos. A ISHRS pode fornecer o nome e endereço dos cirurgiões especialistas em restauração capilar perto de você.

 Fonte: International Society of Hair Restoration Surgery

Opções cirúrgicas: Transplante de Cabelos – Unidades Foliculares e Unidades Multi-Foliculares

Hoje os transplantes são tão perfeitos que frequentemente os barbeiros e cabeleireiros nem mesmo conseguem perceber os novos cabelos transplantados. O transplante de cabelo consiste em remover pele com raízes permanentes de cabelo das areas lateral e posterior do couro cabeludo (área doadora) e a seguir, com o auxílio de lupas ou microscópios, separar esse tecido em unidades foliculares (contendo 1 a 4 raízes) ou unidades multi-foliculares (contendo 3 a 6 raízes cada uma). Esses pequenos enxertos são então meticulosamente inseridos na área calva ou rarefeita do couro cabeludo (área receptora) de forma a respeitar todos folículos pré-existentes nessa área e na mesma orientação existente no local. A criação dessas minúsculas unidades foliculares permitiu aos cirurgiões de calvície a criação de linhas frontais delicadas extremamente naturais sem aspecto abrupto nem em tufos tão comuns nos transplantes executados no passado.

 Alguns cirurgiões dão preferência ao uso exclusivo de unidades foliculares enquanto que outros são de opinião que, colocando unidades multi-foliculares nas áreas centrais do couro cabeludo é criada uma maior densidade central. Dependendo do grau de calvície presente são necessários 2 a 3 procedimentos com ampla variedade no numero de raízes necessárias tendo como base a área de calvície em potencial (a qual limita a área doadora “segura”), cor, textura e densidade do cabelo, tipo de técnica que será utilizada e o objetivo específico de cada paciente.

Nos dias de hoje a cirurgia de transplante de cabelo é muito tranqüila. Em 24 horas pequenas crostas se formam sobre cada enxerto; essas crostas caem aproximadamente em 4 a 14 dias. As raízes transplantadas dão início ao crescimento de cabelos após 10 a 16 semanas após o procedimento, continuando a crescer pelo resto da vida. À medida que homens e mulheres envelhecem há em geral uma diminuição da densidade dos cabelos o que acontece naturalmente também com os cabelos transplantados.

Para quem é indicada a cirurgia de restauração capilar?

Qualquer pessoa que tenha sofrido perda permanente de cabelos pode ser um candidato à cirurgia de restauração capilar, incluindo:

 * Homens apresentando calvície hereditária masculina;

* Mulheres com calvície hereditária feminina;
* Homens ou mulheres que queiram restaurar ou mudar a linha de implantação anterior dos cabelos;
* Pessoas com áreas de cicatrizes por acidentes ou por doenças que deixam cicatrizes;
* Pacientes que sofreram perda permanente de cabelos após cirurgias, como por exemplo cirurgias de rejuvenescimento facial;
* Pessoas que desejam aumentar a densidade ou restaurar suas sobrancelhas, cílios e barba;
* Homens e mulheres que desejam ter cabelos ou pelos em áreas rarefeitas.

O que acontece na cirurgia de transplante de cabelos?

O transplante de cabelo é considerado uma cirurgia ambulatorial de pequeno porte. Os transplantes podem durar de 3 a 8 horas, sendo habitualmente realizados sob anestesia local freqüentemente suplementada por sedação via oral ou endovenosa. Os pacientes freqüentemente permanecem acordados sentindo-se porém muito relaxados devido ao efeito do sedativo. A cirurgia de maneira geral é confortável. As áreas doadoras, de onde foram colhidas as raízes são fechadas com fios de sutura ou grampos cirúrgicos com exceção da técnica de Extração de Unidades Foliculares que não requer fechamento cirúrgico. Os fios de sutura são em geral removidos de 7 a 14 dias. Podem ser usadas suturas absorvíveis com o objetivo de dispensar o retorno do paciente para sua remoção. As raízes são colocadas na região receptora em diminutas incisões feitas com agulhas ou micro cortes na pele do couro cabeludo. O cirurgião explicará ao paciente os prós e contras das várias técnicas de transplante. Ao término da cirurgia, é aplicado um curativo leve ou, após um período de observação o paciente é dispensado sem nenhum curativo. Na conclusão do procedimento o cirurgião habitualmente checa os enxertos colocados e fornece as instruções pós-operatórias verbalmente ou por escrito.

O que acontece após a cirurgia de transplante?

O transplante de cabelos é cirurgia de pequeno risco e muito segura. Complicações significativas são extremamente raras. Por vezes o paciente sente um pequeno desconforto na área enxertada. Alguns pacientes referem uma “tensão” na área doadora por 1 a 2 dias sendo-lhes então prescrito um analgésico leve para aliviar essa sensação. Pode-se recomendar aos pacientes que usem compressas úmidas ou spray e dormir em posição semi-sentada por 2 a 3 dias para diminuir o inchaço e as equimoses. Pequenas crostas se formam sobre cada enxerto. Elas podem ser camufladas pelo cabelo pré-existente penteado sobre elas ou por spray de corantes de camuflagem.

Essas crostas vão cair, as unidades foliculares menores entre 4 a 6 dias e as unidades multi-foliculares entre 5 a 14 dias após a cirurgia. O cabelo transplantado parece crescer mas logo se desprende do couro cabeludo; as raízes, porém, permanecem em estado dormente por 10 a 14 semanas, quando então os novos cabelos começam a crescer. A dormência que pode ser sentida tanto nas áreas doadora como receptora desaparece no período de 2 a 8 meses após a cirurgia. Como já foi dito, as complicações são raras. Pequenas inflamações podem ocorrer ocasionalmente ao redor de um folículo recentemente transplantado e são semelhantes a um pelo encravado ou espinha.

 Habitualmente regridem espontaneamente ou com o uso de compressas quentes. A cicatriz da área doadora devido à retirada da pele doadora é habitualmente bem estreita e pode ser facilmente escondida pelo cabelo circundante. Os locais enxertados na área receptora frontal evoluem sem deixar cicatrizes visíveis e são cobertas pelo cabelo transplantado. Uma pequena porcentagem de pacientes pode inchar moderadamente na área da testa por alguns dias após a cirurgia. Isso pode acontecer por volta do 3o dia pós-operatório e desaparece após 3 a 4 dias. A ocorrência de infecções nesta cirurgia é extremamente rara. A maioria dos pacientes refere uma pequena área de dormência acima da incisão doadora e na área central do couro cabeludo por alguns meses.

Quando devo começar o tratamento?

Atualmente a maioria dos médicos recomenda que se inicie o tratamento clínico por meio de medicação assim que o problema tenha sido identificado. Mesmo que o paciente decida se submeter à restauração cirúrgica dos cabelos, o tratamento clínico pode retardar ou prevenir a perda adicional no futuro. Os pacientes podem se submeter à cirurgia em qualquer idade após os 20 anos, porém a decisão pode ser diferente para cada paciente dependendo de vários fatores. A grande maioria dos pacientes é submetida à cirurgia antes de se tornarem totalmente calvos de maneira que possam ainda usar o cabelo existente para camuflar o procedimento. No entanto, como a calvície tende a ser gradual e progressiva, de modo geral não é interessante iniciar-se o tratamento cirúrgico em um paciente muito jovem. Tratamentos clínicos por medicamentos como Finasterida e Minoxidil são habitualmente recomendados para homens com perda de cabelos para ajuda-los a preservar ou reverter parcialmente a rarefação na coroa e no topo da cabeça. Os transplantes de cabelo podem ser utilizados para preencher a linha do cabelo e aumentar a densidade da parte frontal enquanto que o tratamento clínico através de medicamentos pode ser usado para manter o cabelo por trás dos transplantes e possivelmente realçar os resultados em longo prazo da cirurgia de restauração capilar. O seu cirurgião junto com você irá idealizar um plano individual para atingir suas necessidades específicas.

Planejamento do Transplante Capilar

Quando o paciente procura o profissional por indicação de um amigo ou familiar, esse traz uma idéia consolidada de todo o processo e do seu planejamento, assim como uma visualização do que pode ser alcançado. Portanto, seu patamar de ansiedade e receio é menor. Infelizmente, um bom número de pacientes nos procura com expectativas irreais, principalmente os mais jovens. Outros, com a imagem errônea do procedimento, embasada no estigma do “cabelo de boneca” e sua aparência extremamente artificial.

Num bom planejamento cirúrgico, é fundamental observar os anseios do paciente assim como detalhes somente observados pelo profissional experiente em restauração capilar, e os dois aspectos devem ser colocados abertamente em discussão para que o paciente entenda de forma clara as limitações de todo o processo e abandone espectativas irreais. O cirurgião deve explicar o que pode ser feito a curto prazo, porém procurando sempre dimensionar o que pode ser realizado a longo prazo, dando ao paciente a oportunidade de entender o processo evolutivo da calvície.

O paciente jovem, entre 16 e 26 anos, principalmente no início da calvície, tende a ter uma meta irreal de densidade capilar e do posicionamento da sua linha de implantação anterior do cabelo. É imprescíndível que seja explicado a este paciente a natureza evolutiva da calvície e que aquele momento pode estar mostrando apenas uma porção pequena da sua calvície futura. Procedimento realizado em áreas menos nobres (ex: coroa), de forma imediatista, pode comprometer futuras doações e, portanto minimizar o resultado.

O transplante capilar é um procedimento matemático, de transferência de cabelos da área doadora, permanente, para a área receptora (calva), com limitações do número de fios. Todo esforço deve ser dispensado numa redistribuição inteligente desta quantidade limitada de fios, com máxima sobrevida dos enxertos e mínimo trauma na área calva, aliando densidade e naturalidade.
O sincronismo destas demandas, com a capacidade do médico, aliada as técnicas disponíveis, criará terreno fértil para o alcance de resultado sólido.

Cadidatos ao Implante Capilar

A maioria dos casos de calvície se desenvolve através da queda progressiva de cabelos do couro cabeludo (denominada alopécia androgenética ou AAG). Isso pode afetar tanto o homem como a mulher (em menor proporção). Dois fatores determinam esta perda de cabelo: os hormônios androgênicos e o fator genético. O folículo piloso sofre uma atrofia progressiva: o cabelo se torna fraco (uma penugem), menos volumoso, e eventualmente não cresce mais.

Além das razões acima mencionadas, as mulheres também perdem cabelo por outros fatores: distúrbios hormonais (Ex. Síndrome do Ovário Policístico), gravidez e menopausa podem causar o enfraquecimento do folículo. A calvície feminina pode ser de dois tipos: uma alopécia universal (afetando todo o couro cabeludo) ou localizada (apenas a parte superior da cabeça fica rarefeita).Devemos indicar a cirurgia apenas nas mulheres que encontram-se neste segundo grupo.

 Uma dúvida que todos os pacientes têm é: “Dr Erik, como é que eu posso ter certeza que o cabelo que o Sr. vai transplantar vai crescer?” Hoje se sabe que o folículo piloso – que é a unidade que dá crescimento ao cabelo – comporta-se de maneira variável dependendo do local onde se encontra. Os folículos da região posterior e lateral da cabeça (zona doadora) apresentam resistência à ação hormonal, e por isso permanecem ao longo da vida do indivíduo e não caem mais .

Na escala de Norwood, podemos verificar os diferentes tipos de calvície:

Várias outras situações podem ser corrigidas pela técnica de transplante capilar, e incluem:

 – determinadas condições dermatológicas;
– a reconstrução do “pé de cabelo” para corrigir a excessiva subida da costeleta após uma cirurgia plástica de face (face lifting);
– cicatrizes aparentes que resultam das cirurgias plásticas faciais;
– casos selecionados que deixam cicatrizes no couro cabeludo ou supercílio após queimaduras.

Outra indicação são os Casos Secundários em que o resultado ficou insuficiente e rarefeito!