Como aplicar corretamente o creme facial

O uso de creme específico para a face é fundamental para repor a umidade que a pele perde ao longo dos anos. Além disso, cremes faciais são enriquecidos com vitaminas, minerais e antioxidante que ajudam a manter a pele mais jovem e bonita. A ação prometida na embalagem depende da correta aplicação, usando os movimentos corretos para cada área do rosto. Segue dicas de como aplicar o hidratante de forma eficaz.

Olhos:
Essa é a área mais sensível do rosto e exige creme próprio que deve ser utilizado antes do creme facial. Aplique em movimento anti-horário (de dentro para fora), dando leves batidinhas até o creme ser completamente absorvido.

creme olhos (Large)

Testa:
A aplicação do restante do rosto deve ser iniciada pela testa, com movimentos em espiral e de vai e vem, de cima para baixo. Já esticando bem a pele para ajudar a amezinhar as linhas de expressão.

creme Testa (Large)

Lábios:
Nos lábios o creme deve ser aplicado em todo o contorno, massageando de dentro para fora.

creme Lábios (Large)

Região central e queixo:
O creme deve ser aplicado de baixo para cima e de dentro pra fora, massageando bem para prevenir a flacidez.

creme Rosto (Large)

Pescoço:
O pescoço costuma ser esquecido nos cuidados diários, o que podemos notar facilmente nas ruas quando nos deparamos com mulheres com rostos jovens e o pescoço enrugado. O creme deve ser aplicado de cima para baixo, estimulando a circulação.

creme pescoço (Large)

Pontos básicos para uma boa aplicação:
· Retire o creme do pote com uma espátula para evitar contaminação microbiológica.
· Utilize apenas a quantidade necessária para o rosto todo, não exagere na aplicação, pois senão a absorção será prejudicada.
· Aplique o hidratante sempre de baixo para cima! Com o passar dos anos a pele perde a elasticidade e tende a cair, por isso faça o movimento contrário, massageando o rosto em sentido ascendente.

Fonte: http://www.abril.com.br/

Dieta Pós-Operatória

Ficar de repouso e retornar para as consultas pós-operatórias não são os únicos cuidados necessários para garantir o resultado de uma cirurgia plástica. Logo após a operação, o corpo está inchado e dolorido. Além das sessões de drenagem linfática e do uso de malhas de compressão, manter uma dieta balanceada é uma ótima opção para auxiliar a recuperação. Confira os benefícios que alguns alimentos podem oferecer para o pós-operatório.

dr-erik-nery-dieta-pós-operatória-artigo1

Frutas cítricas
Contêm betacaroteno e vitamina C. O betacaroteno, também presente na cenoura, abóbora e beterraba, é um ótimo antioxidante, o que aumenta a imunidade. Além disso, essa substância dá elasticidade à pele e previne o envelhecimento, o objetivo de qualquer um que passa por uma cirurgia plástica. Já a vitamina C, que também fortalece o sistema imunológico, previne a fraqueza muscular e infecções pós-cirúrgicas. Ela também é conhecida por sua participação da síntese de colágeno, o que dá mais resistência aos vasos sanguíneos.

Frutas vermelhas
Contêm flavonoides, que têm ação anti-inflamatória e anti-hemorrágica. Isso é muito importante para o organismo que acabou de passar por uma cirurgia, pois desincha os edemas e controla os sangramentos. Além disso, os flavonoides funcionam como antialérgicos e antioxidantes. Essa substância, que também pode ser encontrada no maracujá, não é produzida pelo nosso organismo, por isso é importante ingeri-la frequentemente. Alimentos processados como chás, vinho tinto e chocolate também apresentam flavonoides em sua composição, mas em quantidades bem menores.

Brócolis, repolho e couve
Além de antioxidantes, essas folhas verdes são ricas em compostos enxofrados bioativos. Esses compostos desintoxicam o fígado, órgão responsável por quebrar as moléculas da anestesia e outros medicamentos antes de elas serem eliminadas.

Farinha de linhaça e semente de chia
Esses dois alimentos são muito ricos em ômega 3, que atua como anti-inflamatório e acelera o metabolismo e, consequentemente, a resposta imunológica do corpo. Além disso, a linhaça tem uma substância que limpa o intestino, otimizando a absorção de vitamina C.

Cada um desses alimentos precisa ser preparado e consumido da maneira correta. Consulte um nutricionista para receber instruções mais detalhadas para seu caso.

Fonte: http://www.plasticadosonho.com.br

Olhar mais jovem

Técnicas que rejuvenescem as pálpebras sem deixar marcas e garantem resultado mais natural ganham espaço na plástica

O rejuvenescimento da região dos olhos é fundamental para manter a juventude de todo o rosto. Por isso, qualquer intervenção nesta área da face precisa ser muito bem feita, apresentar um resultado eficiente e – tão importante quanto isso – natural. É por esta razão que algumas estratégias ganham mais atenção dos cirurgiões plásticos. Uma delas é a chamada blefaroplastia transconjuntival. Trata-se de uma modalidade da blefaroplastia, o nome médico da cirurgia corretiva de pálpebras. Sua grande vantagem é que, além de proporcionar ao rosto um ar mais jovial, não deixa cicatrizes.

O procedimento é indicado para quem deseja retirar as bolsas de gordura embaixo dos olhos que costumam se formar ao longo do envelhecimento. Há duas maneiras de fazer isso. Na primeira, o cirurgião faz uma incisão na linha logo abaixo dos cílios, através da qual extrai o excesso de gordura e também de pele, se for necessário. O problema é que a marca do corte fica visível, embora ela tenda a se tornar imperceptível com a passagem dos anos. Na técnica transconjuntival, o acesso às bolsas é feito por meio de uma incisão na conjuntiva, a membrana mucosa localizada na parte interna do olho. Dessa maneira, não há corte aparente. O método, porém, não é indicado a todos. 

Outro caminho – este em nível de estudos e tendência – é optar pela remodelação da gordura depositada nas pálpebras inferiores e não simplesmente retirá-la.

A verdade é que, desde que benfeitas e conduzidas por profissionais qualificados e experientes, as intervenções nas pálpebras resultam em maior qualidade de vida. Esse ganho, inclusive, foi registrado por uma pesquisa divulgada nos Estados Unidos. Os pesquisadores analisaram as respostas de 26 pacientes que haviam se submetido à cirurgia e constataram que eles apresentavam mais satisfação com a própria aparência e, consequentemente, mantinham uma boa autoestima.

 mi_13389876472137

Fonte: http://www.istoe.com.br

Cuidados pré e pós-operatórios

O pré operatório é essencial para o sucesso da sua cirurgia plástica. Cuidar do seu corpo e prepará-lo para uma cirurgia plástica ajuda na sua recuperação.

* Se tiver gripe ou infecção seu medico deverá saber até dois dias antes e a cirurgia deverá ser adiada;

*  Evite bebidas alcoólicas e comidas pesada na véspera da cirurgia;

* Evitar todo e qualquer medicamento para emagrecer, inclusive diuréticos;

* Evitar todo e qualquer medicamento à base de ácido acetil-salicílico (AAS, Aspirina, Melhoral, Bufferin) ou qualquer medicação contendo ervas (Arnica, Ginko Biloba, etc.), com efeito, anticoagulante pelo menos 15 dias antes da cirurgia. Evitar também o uso de antiinflamatórios. Novalgina e Tylenol podem ser  usados em caso de dor;

* Não tomar 30 dias antes da cirurgia anticoncepcional oral ou injetável;

* Evite fumar;

* Evite exposição solar;

* Faça drenagem linfática para eliminar impurezas;

 

Após a cirurgia plástica é hora de cuidar do pós operatório e tudo deve ser seguido a risca para evitar cicatrizes, infamações, inchaços.

* Repouso;

* Siga as instruções dos médicos para movimentos na área operada;

* Medicamentos e dor: pergunte para seu medico quais remédios você pode tomar em caso de dor e tome nos horários certos;

* Curativos: volte ao hospital ou clinica para troca de curativos nos dias agendados;

* Alimentações leves;

* Veja com seu medico como será o procedimento de banho. Se a recomendação for não lavar o local, não lave;

* Veja se você pode fazer tratamento de drenagem linfática na área para evitar hematomas;

* Use cintas sempre que for possível e indicado;

* Não se preocupe com as formas intermediarias nas diversas fases;

 

Fonte: Portal da Cirurgia Plástica

A história da Cirurgia Plástica

A Cirurgia Plástica, por incrível que pareça, nasce na antiguidade  Médicos indianos realizavam transplantes de pele e reconstruções nasais já no século VIII a.C, período no qual a amputação do nariz era um castigo para certos crimes. Os Romanos desenvolveram simples técnicas como a reparação de orelhas danificadas ainda no século I a.C.

Eras mais tarde, o médico bizantino Oribasius criou a enciclopédia médica Synagogue Medicae, na qual contém textos sobre cirurgias plásticas, apesar da especialidade ainda estar longe de existir oficialmente. Oribasius demonstrou sua compreensão a respeito de técnicas importantes como a de utilização de retalhos para evitar a distorção das características faciais e o processo de criar fios de sutura sem tensão. Seu trabalho foi de grande influência para as técnicas médicas e cosméticas atuais.

Somente no século XV a cirurgia plástica começou a evoluir novamente, com os estudos de Heinrich von Pfolspeundt, que conseguiu realizar a construção completa do nariz, utilizando a pele em excesso do braço. A Rinoplastia foi, então, a mãe das cirurgias plásticas reconstrutoras, ganhando enorme repercussão na Europa do século XVIII. Inúmeros combatentes de guerra se submeteram à cirurgia para melhorar a aparência de seus narizes, que sofreram impactos na luta armada.

Outro motivo da crescente popularidade da cirurgia plástica foi a criação da anestesia cirúrgica, que tornou os procedimentos mais seguros e menos dolorosos. A cirurgia plástica como especialidade médica oficial surgiu na Primeira Guerra Mundial. Além dos milhares de soldados que morreram, milhões foram mutilados ou deformados, gerando uma demanda enorme por procedimentos de reconstrução e reparação estéticos.

A medida que a tecnologia da medicina evoluiu, os procedimentos de cirurgia plástica foram no mesmo ritmo. Hoje, esse campo da medicina tem muitas especializações, oferecendo uma variedade de procedimentos de cirurgia plástica aos pacientes interessados. A evolução contínua da cirurgia plástica permitiu a milhões de pessoas se beneficiar dos procedimentos, tanto físico como psicologicamente.

 

Fonte: Portal de Cirurgia Plástica

A moda é… Gluteoplastia!

A gluteoplastia, conhecida também como plástica no bumbum, realiza um sonho: glúteos durinhos,sem flacidez e sempre para cima.

E a preferência nacional pelo bumbum arredondado e cheinho leva muitas mulheres brasileiras aos consultórios dos cirurgiões plásticos em busca da gluteoplastia. O método, que consiste na colocação de próteses de silicone específicas para essa região, tem como objetivos remodelar ou aumentar as nádegas.

A cirurgia para aumento dos glúteos consiste no posicionamento de uma prótese de silicone, de tamanho e forma pré-definidos, em um espaço criado no interior dos músculos glúteos bilateralmente.

É realizada por uma incisão (corte), que deixará uma cicatriz final, no sulco interglúteo, ou seja entre as nádegas, próximo ao cóccix.

Os implantes de Silicone são produzidos por diversas empresas nacionais e internacionais, todas aproximadamente com as mesmas qualidades e com pequena variação de preços.

Por serem feitas de material inorgânico, as próteses provocam poucas reações no corpo humano. As que podem ocorrer são chamadas de reação à corpo estranho, que tem como objetivo isolar-lo, criando uma membrana ou cápsula fibrosa (cicatricial), em torno do implante.

Para melhorar o resultado obtido com a Glúteoplastia de aumento, podem ser indicadas lipoaspirações de determinadas áreas, para melhorar o contorno das nádegas. A lipoaspiração é explicada em termo separado.

O implante de Silicone não causa Câncer, ou qualquer outra doença. Após a inclusão dos implantes glúteos, ficam contra-indicadas aplicações de medicação intramuscular (injeções) nos glúteos.

Caso ocorram alterações nos glúteos, após a inclusão da prótese, poderá ser necessária a realização de exames de Ultra-som, Tomografia ou de Ressonância Nuclear Magnética, para elucidação diagnóstica.

O traumatismos dos glúteos além de imprimir estresse mecânico as próteses, podendo levar ao seu rompimento, também pode acelerar o processo de contratura capsular ou causar herniações, seromas ou hematomas que podem ter a vir de ser tratados.

As cicatrizes evoluem de acordo com a fisiologia individual, geralmente ficando pouco perceptíveis, principalmente na penumbra. Caso ocorram alterações, existem tratamentos que podem empregados, na tentativa de melhorar o aspecto das cicatrizes.

É possível que ocorram manchas roxas (equimoses).

É recomendado dormir de bruços (decúbito ventral) nas primeiras noites e sentar-se e levantar-se com auxílio nos primeiros 15 dias para não forçar a musculatura glútea.

Esta cirurgia tem como finalidade o aumento da região glútea, eventualmente pequenos excessos de pele, que geram flacidez glútea podem não ser resolvidos, sendo necessária uma nova avaliação com possibilidade de re-intervenção cirúrgica para ressecção de pele e conseqüente cicatriz.

RECOMENDAÇÕES SOBRE A GLÚTEOPLASTIA DE AUMENTO

a) RECOMENDAÇÕES PRÉ-OPERATÓRIAS:

1. Obedecer às instruções dadas para a internação.

2. Comunicar qualquer anormalidade que eventualmente ocorra, quanto ao seu estado geral.

3. INFORMAR AO SEU CIRURGIÃO A MENOR POSSIBILIDADE DE GRAVIDEZ. NÃO SUSPENDER USO DE MÉTODOS ANTICONCEPCIONAIS.

4. Internar em jejum absoluto de, no mínimo, 8 horas e não trazer objetos de valor para o hospital.

5. Vir acompanhada para a internação.

6. Evitar uso de brincos anéis, alianças, piercings, esmaltes coloridos nas unhas, etc. Qualquer destes será retirada antes da cirurgia.

7. A cinta deverá ser levada para o hospital.

b) RECOMENDAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS:

1. Evitar esforços por 30 dias.

2. Sentar e levantar com auxílio

3. Levantar-se quantas vezes lhe for recomendado por ocasião da alta hospitalar, obedecendo aos períodos de permanência sentado (a), assim como evitar esforços máximos.

4. Não se exponha ao sol ou friagem, por um período mínimo de 14 dias.

5. Obedecer à prescrição médica.

6. Voltar ao consultório para os curativos subseqüentes, nos dias e horários estipulados.

7. Não se preocupe com as formas intermediárias nas diversas fases. Tire quaisquer dúvidas que possam advir com seu cirurgião.

8. Alimentação normal (salvo em casos especiais). Recomendamos alimentação hiperproteica (carnes, ovos, leite) assim como o uso de frutas.

9. Aguarde para fazer sua “dieta ou regime de emagrecimento”, após a liberação médica. A antecipação desta conduta por conta própria, poderá determinar conseqüências difíceis a serem sanadas.

Fonte: Site do Dr. Erik Nery e Corpo a Corpo

Descubra mais sobre o Rejuvenescimento Facial

O resurfacing a laser, também conhecido como peeling a laser, é uma técnica de rejuvenescimento facial eficaz, que pode produzir resultados duradouros. Com o tempo, fatores como danos provocados pelo sol, hereditariedade, dieta e movimento muscular repetitivo contribuem para a formação de linhas e rugas no rosto. Além disso, o desenvolvimento de anomalias pigmentares, como as “manchas de idade” ou cicatrizes de acne levam a pele a perder a sua aparência macia e juvenil.

Sendo assim, o rejuvenescimento da pele é um tratamento para tratar sua pele, melhorar a aparência e a textura em geral.

Situações que podem ser tratadas:

• Rugas estáticas: Estas rugas são sempre visíveis e não mudam de aparência com os movimentos faciais.
• Rugas dinâmicas: Estas são as linhas de expressão que podem aparecer como pregas quando a pele não está se movendo, e aprofundar com os movimentos faciais ou expressões.
• Pigmentação: Sardas, manchas de sol, melasma, manchas escuras ou demais manchas escuras resultantes, principalmente, da exposição ao sol.
• Cicatrizes: Resultado de acne ou ferimentos na pele.
• Doença vascular: Vasos sanguíneos visíveis na superfície da pele, lesões vasculares que aparecem como minúsculas bolhas de sangue ou mesmo um rubor facial constante.
• Perda de tonalidade da pele: Enfraquecimento da estrutura de sustentação da pele (fibras de colágeno e elastina), que resulta em perda de firmeza da pele, ou desenvolvimento de celulite.

Bons candidatos a cirurgia são:

• Indivíduos fisicamente saudáveis,
• Não fumantes,
• Indivíduos com perspectiva positiva e expectativas realistas do procedimento.

Resultados: 

Os procedimentos de resurfacing e de rejuvenescimento de pele podem produzir melhora acentuada nas condições da pele e em sua aparência geral. As tecnologias e os tratamentos disponíveis estão avançando rapidamente e você pode se surpreender com a melhora que pode ser obtida através de processos relativamente simples.

Pense nisso: Ao escolher um cirurgião plástico para realizar este procedimento, lembre-se de que a experiência do cirurgião e seu bom relacionamento com ele são tão importantes quanto o custo final da cirurgia.

 

 

Fonte: Site do Dr. Erik Nery e Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica

www.eriknery.com.br

 

Saiba tudo sobre Implante Capilar

O Implante ou transplante capilar tem desenvolvido tremendamente na última década. Os resultados ‘cabelo de boneca’ ficaram para trás, e a era de unidades foliculares finalmente chegou. Com esta técnica, junto com novos instrumentos, o cirurgião especialista poderá criar uma aparência natural dos cabelos transplantados, adequada à cada paciente individualmente. A cirurgia da restauração capilar é um procedimento complexo, que requer habilidade tanto cirúrgica quanto artística.

 

Entenda o procedimento. 

Perda de cabelo e calvície são, muitas vezes, uma parte inesperada e indesejada da vida. Felizmente, com os recentes avanços na tecnologia, a perda de cabelo pode ser diminuída ou interrompida e existem soluções para o afinamento do cabelo e a calvície. Os transplantes capilares são uma solução efetiva e permanente para a reposição capilar em candidatos adequados. As técnicas de transplante capilar têm sido usadas desde o início dos anos cinquenta. Entretanto, diferentemente dos primeiros procedimentos que eram conhecidos por cultivar cabelos em montinhos, ou que cresciam em ângulos esquisitos, as técnicas de transplante capilar de hoje evoluíram para procedimentos altamente precisos que usam implantes muito menores e produzem cabelo uniforme, de aparência natural, em áreas onde houve perda capilar.

Para entender como funcionam os transplantes capilares, é útil conhecer algumas noções básicas sobre a anatomia capilar. Um cabelo típico é formado por haste, que é a parte que você pode ver acima da pele, e o folículo capilar, sob a superfície. O cabelo tende a crescer em pequenos feixes, que são chamados de unidades foliculares. Uma unidade folicular consiste de 1-4 folículos capilares com cabelos inteiros, 1-2 vellus finos, glândulas sebáceas, um pequeno músculo, nervos, e vasos sanguíneos. Cada unidade folicular está envolvida por uma faixa de colágeno e estas unidades podem ser consideradas estruturas independentes, quando vistas de perfil sob o microscópio. Na superfície, as unidades foliculares aparecem como um pequeno grupo de cabelos crescendo juntos. Os transplantes capilares realocam unidades foliculares intactas de uma área doadora segura, na parte de trás e nos lados da cabeça, para áreas calvas ou afinadas. Os folículos retirados das áreas doadoras não são geneticamente inclinados para a calvície e, uma vez transplantados, continuarão a produzir cabelo durante a vida do paciente.

Tipos de transplantes
Existe uma variedade de técnicas de transplante capilar e duas das técnicas mais populares hoje são conhecidas como transplantes de micro/mini-enxertia e unidade folicular. Ambos os processos podem ser feitos com a dissecação de uma pequena faixa de folículos capilares da área doadora. Os transplantes de unidade folicular também podem ser retirados num processo chamado extração da unidade folicular (FUE), onde um “punch” de um milímetro ou menos de diâmetro é utilizado para remover as unidades foliculares individuais. Ao retirar os folículos de uma faixa, a diferença-chave entre os transplantes de micro/mini-enxertia e unidade folicular é que os micro/mini-enxertos são dissecados manualmente em mini-enxertos de um a seis cabelos com pele entre os folículos, enquanto o método da unidade folicular leva a faixa sob o microscópio para remover a pele sem cabelo interfolicular e disseca manualmente as unidades foliculares individuais, contendo de um a quatro cabelos.

Que procedimento devo usar?
A determinação da técnica de transplante capilar correta para você é uma questão de escolha pessoal, baseada em fatores tais como tempo do procedimento, tempo que você está disposto a esperar pelos resultados e número de procedimentos necessários. Em geral, a micro/mini-enxertia pode transplantar mais cabelos de uma vez e os transplantes de unidade folicular são mais lentos, mas podem criar uma aparência mais natural. Entre os procedimentos da unidade folicular, o procedimento da retirada da faixa é mais rápido e, em geral, menos caro que a extração da unidade folicular. A técnica FUE produz cicatrizes múltiplas, extremamente pequenas, que são difíceis de perceber, e o procedimento da faixa produz uma única cicatriz, que pode ser disfarçada sob o cabelo existente. Esta animação irá examinar, principalmente, os transplantes de unidade folicular, mas cada um dos tratamentos pode produzir os resultados desejados.

Procedimento de doação
Os transplantes capilares necessitam de dois procedimentos cirúrgicos: um, para a obtenção das unidades foliculares, e outro, para o implante dos enxertos. Ambos os procedimentos são realizados durante a mesma consulta. Seu escalpo será esfregado com uma solução desinfetante e um anestésico local, que, em geral, é composto de lidocaína e epinefrina, será injetado para adormecer a área e ajudar a controlar o sangramento. Uma incisão ou “punch” será utilizada para cortar verticalmente o escalpo para recolher os cabelos do doador sem danificar as unidades foliculares. Em geral, as incisões são profundas o suficiente para recolher a unidade folicular inteira, assim como alguma gordura que pode ser coletada enquanto se trabalha com os enxertos. A técnica FUE irá remover unidades foliculares individuais. A técnica de faixa implica a coleta de uma faixa fina de tecido doador, que é, em seguida, dividido em enxertos de unidades foliculares individuais por uma equipe de técnicos. Após o recolhimento do tecido doador, a região é suturada e fechada com pontos ou pequenos grampos.

Procedimento de recebimento
O transplante de unidades foliculares na área receptora exige a realização de incisões múltiplas, muito pequenas, com a espessura de uma agulha, para posicionar cada unidade folicular ou microenxerto. Uma pequena lâmina ou agulha pode ser utilizada para realizar cada incisão na profundidade apropriada para os enxertos capilares. Normalmente, no processo de reposição, é utilizada uma combinação de unidades foliculares. Unidades capilares individuais são normalmente utilizadas na linha de frente (“hairline”). Unidades com dois ou mais cabelos são utilizadas atrás da linha de frente e aquelas com três ou quatro cabelos são utilizadas mais atrás para aumentar o volume. A densidade das unidades transplantadas também aumenta atrás da linha de frente. Os transplantes são colocados de modo aleatório e irregular, para imitar a natureza, e o médico deve tomar cuidado para posicioná-los de acordo com o ângulo e direção em que os cabelos irão crescer, para o resultado ser uma linha de frente com aparência natural. Após o transplante, as incisões da área recebedora irão cicatrizar em poucos dias.

Recuperação e resultados
O escalpo contém um grande número de vasos e, imediatamente após o transplante, o tecido circundante começa a nutrir os folículos transplantados. Você deve ser capaz de voltar ao trabalho e à maior parte das atividades normais no dia seguinte ao procedimento, mas deve evitar exercícios exaustivos ou levantamento de peso até que algum ponto não absorvível na área doadora seja removido, em 7 a 12 dias. Quando a cicatrização começa, algumas crostas podem se desenvolver na base do enxerto. Após vários dias, estas podem ser removidas suavemente durante a lavagem. A maior parte dos cabelos transplantados irá cair cerca de 2 a 4 semanas após a cirurgia, mas os folículos irão permanecer e o cabelo que foi transplantado pode necessitar de 3 a 5 meses para começar a crescer. Uma vez que o cabelo comece a crescer, haverá uma progressiva melhora cosmética, que irá continuar por até 12 a 15 meses após a cirurgia.

Independentemente da técnica de transplante escolhida, você pode necessitar de um segundo ou mesmo possivelmente de um terceiro procedimento, dependendo da extensão da sua perda capilar e do grau de cobertura desejado. Em geral, os procedimentos de acompanhamento são realizados em cerca de oito meses, quando todos os enxertos implantados estão crescidos. Como alguns dos cabelos ao redor do transplante podem continuar a cair, um transplante capilar futuro pode ser recomendável para manter uma cobertura igualada. Consulte um profissional de reposição capilar, que irá considerar o seu padrão particular de calvície, o grau de perda capilar e as suas necessidades, de modo a determinar a melhor técnica e a quantidade de cobertura para obter resultados excelentes para a aparência que você deseja.

Fonte: Site do Dr. Erik Nery

www.eriknery.com.br

 

Saiba mais sobre Otoplastia

Ninguém gosta de ser apelidado de Dumbo só porque a orelha tem um formato estético, digamos “fora do padrão”. São as famosas “orelhas de abano”. Porém, é um dos muitos problemas que podem ser facilmente resolvidos com uma pequena e simples cirurgia. A cirurgia estética para corrigir as orelhas é chamada de otoplastia.

A Otoplastia é uma cirurgia que visa dois objetivos principais: diminuir a projeção das orelhas (rodando as conhcas posteriormente) e refazer a antihélice. A incisão costuma ficar na região posterior do pavilhão auricular e a cartilagem é remodelada com pontos, incisões ou raspagem.

 

01)  A CIRURGIA DA ORELHA EM ABANO DEIXA CICATRIZES?

A cicatriz desta cirurgia é pouco visível, por localizar-se atrás da orelha, no sulco formado por esta e o crânio. Além do mais, como se trata de região de pele muito fina, a própria cicatriz tende a ficar imperceptível, mesmo em algumas técnicas que utilizam pequenas incisões na face anterior.

Certas pacientes podem apresentar tendência à cicatrização inestética (cicatriz hipertófica e quelóide). Este fato deverá ser discutido, durante a consulta inicial, bem como suas características familiares. Pessoas de pele clara tendem a desenvolver menos freqüentemente este tipo de cicatriz.

Vários recursos clínicos e cirúrgicos nos permitem melhorar tais cicatrizes inestéticas, na época adequada. A cicatriz hipertrófica ou quelóide, não devem ser confundidas, entretanto, com a evolução natural do período mediato da cicatrização. Qualquer dúvida a respeito da sua evolução cicatricial deverá ser esclarecida durante seus retornos pós-operatórios, quando teremos a oportunidade de fazer a avaliação da fase em que se encontra.

02)  EXISTE CORREÇÃO PARA CICATRIZES HIPERTRÓFICAS?

Vários recursos clínicos e cirúrgicos nos permitem melhorar tais cicatrizes inestéticas, na época adequada. Não se deve confundir, entretanto, o “período imediato” da cicatrização normal (do 30º dia até o 12º mês) como sendo uma complicação cicatricial. Qualquer dúvida a respeito da sua evolução deverá ser esclarecida com seu médico.

03)  QUAL O TIPO DE ANESTESIA?

Crianças: geralmente com anestesia geral. Adultos: geralmente anestesia local com ou sem sedação.

04)  QUAL O PERÍODO DE INTERNAÇÃO?

Meio período até um dia, dependendo do tipo de anestesia e idade do(a) paciente.

05)  QUANTO TEMPO DEMORA O ATO CIRÚRGICO?

Geralmente em torno de 90 a 120 minutos. Entretanto, o tempo de ato cirúrgico não deve ser confundido com o tempo de permanência do paciente no ambiente de Centro Cirúrgico, pois, esta permanência envolve também o período de preparação anestésica e recuperação pós-operatória. Seu médico poderá lhe informar quanto ao tempo total.

06)  HÁ PERIGO NESTA CIRURGIA?

Todo ato médico inclui no seu bojo, um risco variável e a Cirurgia Plástica, como parte da Medicina, não é exceção. Pode-se minimizar o risco, preparando-se convenientemente cada paciente, mas não eliminá-lo completamente.

07) HÁ DOR NO PÓS-OPERATÓRIO?

Certo incômodo poderá ocorrer no pós-operatório. Quando houver esta intercorrência, ela é combatida com analgésicos comuns.

08)  COMO É O CURATIVO?

No primeiro dia, é feito um curativo do tipo envoltório com faixa e fita crepe. Depois, protege-se a orelha com faixa ou bandana, a fim de evitar traumatismos locais.

09)  QUANDO SÃO RETIRADOS OS PONTOS?

Em torno do 14o. dia.

10)  EM QUANTO TEMPO SE ATINGIRÁ O RESULTADO DEFINITIVO?

Assim que se retira o curativo já teremos em torno de 80 % do resultado almejado. Após 12 semanas, o resultado será definitivo.

11)  NÃO HÁ O RISCO DE “VOLTAR O ABANO” APÓS A CIRURGIA?

O resultado é geralmente definitivo, mas como tudo em medicina não se pode dar garantia de resultado. Em caso de recidiva (“voltar o abano”) é possível cirurgia de correção. Nestes casos os custos de materiais hospitalares, taxas de sala, anestésicos, medicamentos e outros custos serão por conta do paciente mesmo que o cirurgião opte por não estabelecer honorários.
RECOMENDAÇÕES SOBRE A CIRURGIA DE ORELHA EM ABANO

A) PRÉ- OPERATÓRIO:

1. Obedecer às instruções dadas para a internação.
2. Comunicar qualquer anormalidade que eventualmente ocorra, quanto ao seu estado geral.
3. Na eventualidade de se optar pela anestesia geral, vir “em jejum absoluto” de no mínimo 8 horas e não trazer objetos de valor para o hospital.
4. Vir acompanhada para a internação.
5. Evitar uso de brincos anéis, alianças, piercings, esmaltes coloridos nas unhas, etc.
6. Evitar uso de medicações que contenham ácido acetil salicílico ou salicilatos em sua fórmula ( Aspirina®, AAS®, Melhoral ®, alguns anti-gripais). Evitar uso de GINKO BILOBA, ARNICA e VITAMINA E. Todos devem ser suspensos 10 dias antes da cirurgia, ou a critério médico. Comunique a equipe médica em caso de necessidade de medicação diferente da habitual.
7. Não fumar

B) PÓS- OPERATÓRIO:

1. Evitar sol, friagem, vento e traumatismos locais por um período de 14 dias.
2. Comparecer ao consultório para controle pós-operatório, nos dias indicados.
3. Obedecer à prescrição médica.
4. Poderá retornar às atividades escolares, profissionais, etc quatro a cinco dias após a cirurgia.
5. Alimentação livre, a partir do segundo dia, principalmente à base de proteínas ( carnes, leite, ovos ) e vitaminas (frutas).

 

Fonte: Site do Dr. Erik Nery e Cultura Mix.com

www.eriknery.com.br

 

Práticas de exercícios e a cirurgia plástica

A prática de exercícios físicos é essencial para uma vida saudável. Junto com uma alimentação balanceada, a prática de exercícios gera resultados ótimos.

Após uma cirurgia plástica ou lipoaspiração a prática de exercícios físicos ajuda a manter os resultados e aumenta o processo de recuperação do corpo.

Porém é preciso prestar atenção ao período de pós operatórios, respeitar as orientações medicas sobre os exercícios que podem e não podem ser feitos. Enquanto estiver com pontos, é proibido a pratica de exercício. Após a retirada dos pontos, em media, pode-se voltar as atividades físicas após 2 semanas com atividades leves. As atividades físicas ajudam a diminuir os inchaços.

Fonte: www.cirurgiaplastica.com.br