Você sabe o que é blefaroplastia?

Se você tem menos de 30 anos certamente não sabe mesmo e, de repente, nem precise. Mas, se já tem bem mais que isso, comece a se informar. É uma solução que pode tirar aquilo que não pertence a você: as rugas.

Blefaroplastia, ou cirurgia das pálpebras, é uma cirurgia estética destinada a remover a pele enrugada e descaída das pálpebras superiores e/ou inferiores. Por esta intervenção cirúrgica é possível corrigir a flacidez dos olhos, e as bolsas sobre os olhos que dão a aparência de que a pessoa está muito cansada. O resultando é uma aparência mais jovem, refrescante e um total reafirmamento na área dos olhos. Saiba que, ao passar por este processo cirúrgico, os “pés de galinha”, resultantes da ação muscular nesta região do rosto, são somente suavizados pela cirurgia. Outras rugas também não somem completamente, elas apenas são diminuídas.

A blefaroplastia pode ser superior, inferior ou total, e a indicação vai depender da necessidade de cada caso. Geralmente, o processo é indicado para as pessoas com mais de 30 anos, pois é nesta fase que o processo de envelhecimento fica mais acentuado. No entanto, a presença de bolsas de gordura ou flacidez precoce das pálpebras ligadas a fatores genéticos pode sugerir a cirurgia para os mais jovens.

A blefaroplastia é feia com anestesia local, mas há casos, em que a pessoa precisa ser anestesiada por completo. A intervenção dura cerca de uma hora e meia e não há necessidade de internação. Com um bisturi, retira-se o fuso de pele e, em alguns casos, também uma faixa de músculo orbicular dos olhos. As bolsas de gordura, que estiverem em excesso, são aparadas e fecha-se a incisão com sutura com linha fina.

É inevitável uma pequena cicatriz bem discreta, que desaparece, em alguns casos, com a passagem do tempo. As que permanecem assemelham-se a uma linha de expressão. É importante que você saiba que o procedimento não afeta a posição das sobrancelhas. Caso haja necessidade de levantar a testa, será feito um lifiting nesta região.

Cirurgia feita, o paciente poderá realizar quase todas as atividades do seu dia a dia, mas alguns cuidados precisam ser tomados, como evitar a exposição ao Sol. Fique atenta as recomendações médicas e siga-as a risca. É normal que no local operado apareçam manchas roxas e inchaços, eles tendem a desaparecer ao longo das semanas. O período de inchaço, varia de pessoa para pessoa mas os três primeiros dias pós-operatório são os que apresentam o maior aumento das pálpebras. Há pacientes que já no 4º ou 5º dia apresentam-se com um aspecto bastante natural. Outros atingirão este resultado após o 8º dia. O uso de compressas frias ajuda a diminuir a intensidade do edema. O resultado final da operação é dectado apenas três meses após a intervenção, quando não restam mais inchaços e manchas roxas.

Os médicos também alertam que, durante alguns dias, a pessoa poderá ter maior sensibilidade à luz, sensação de olhos ressacados, coceira e lacrimejamento. Para isso, é recomendado o uso de óculos escuros por alguns dias para proteger da luz e do vento. É necessário que se evite assistir a TV ou esforçar-se para fazer leituras nos três primeiros dias de pós-operatório.

O custo médio para este procedimento varia de estado para estado, de cidades menores a grandes metrópoles. Mas, geralmente, o preço do procedimento varia entre R$3.500 e R$5 mil. Por ser uma cirurgia estética, os planos de saúde não cobrem a blefaroplastia. Mas se as pálpebras caídas chegarem a atrapalhar a visão, então alguns planos de saúde podem cobrir parcialmente ou inteiramente a operação.



Fonte:
www.cirurgiaplasticaguia.com.br

Celulite e Flacidez: Duas vilãs que precisam ser combatidas!

 

Celulite é uma doença de pele, de origem vascular ou hormonal que, infelizmente, afeta a maioria das mulheres. Desenvolve-se através do depósito de gordura imediatamente abaixo da derme que fica contido nas câmaras adiposas. Assim que as células adiposas aumentam de tamanho, o tecido circundante fica comprimido e endurecido, tornando a circulação sanguínea mais difícil e retendo fluídos. Isto causa a redução da elasticidade do tecido adiposo, produzindo uma tensão indesejável entre as camadas. A depressão resultante dos pontos âncoras do tecido conjuntivo cria a aparência de celulite.

A celulite, em estágios mais avançados, é descrita como o aparecimento de encovamentos na pele, também  designada por “síndrome de casca de laranja” onde a pele, em determinados pontos, é repuxada para o interior do corpo criando um efeito ondulante.
Mas, como tratar a Flacidez e a Celulite?

A Radiofrequência é uma alternativa terapêutica para o tratamento da celulite e flacidez. É um método que produz um aquecimento profundo e controlado sobre o tecido celular subcutâneo provocando uma cascata de reações que causam o aumento do colágeno local promovendo firmeza e turgor ao tecido (contração da pele e dos septos fibrosos). Logo nas primeiras aplicações observa-se melhora considerável da flacidez e da textura da pele.

A Radiofrequência produz um aquecimento profundo do tecido adiposo subcutâneo. Tal aquecimento favorece a contração das fibras de colágeno  e também o estímulo da sua produção. Haverá também um aumento na circulação da área, melhorando assim o metabolismo do tecido subcutâneo e a aparência da pele. Este aumento na produção de colágeno irá agir durante semanas e meses após a aplicação. A formação de novo colágeno na pele e no tecido subcutâneo, permite que o tecido adquira firmeza, graças à reorganização dos septos fibrosos e espessamento da camada subjacente dérmica. A drenagem linfática da gordura melhora a circulação na pele e tecido subcutâneo. Isso tudo resulta em uma melhora da pele casca de laranja, melhorando a flacidez e reduzindo o volume da área tratada. A energia da radiofrequência auxilia na redução da celulite e do excesso de tecido adiposo através da termo-lipólise trans-dermal, ajudando a mobilizar e eliminar depósitos de gordura de forma não invasiva.

O procedimento é simples:

A  pele é tratada previamente e a energia aplicada é movida constantemente sobre a pele. São passes suficientes até uma temperatura adequada . Assim que a sessão for concluída, é aplicado um tratamento específico anti-flacidez ou anti-celulítico, conforme o caso, sobre as áreas tratadas, e o paciente pode retomar suas atividades diárias, sem demora, evitando a exposição ao sol de 24 a 48 horas.

O número de sessões varia, mas, entre 8 e 12 sessões em um intervalo mínimo de uma semana é necessário. Os resultados podem ser vistos após a quarta sessão, embora a maioria das pacientes passam a notar alguma melhoria durante as primeiras aplicações, devido à contração inicial do colágeno.

O procedimento é bem tolerado e não necessita de anestesia. Há uma sensação de calor leve. Os efeitos secundários são discreta vermelhidão local que regride espontaneamente em pouco tempo.

As pacientes relatam que a pele fica mais firme, dura e lisa. A aplicação de Radiofrequência  atua tratando o excesso de tecido gorduroso  assim como promovendo um “esticamento” da pele. Esta dupla ação traduz-se num resultado clínico visível, mesmo após a primeira sessão. Com o tempo observa-se uma melhora progressiva que vai sendo  mais evidente conforme o número de sessões.


Fonte:
www.plasticaesteticaecia.com.br

Cuidados pós-operatório

Após a cirurgia plástica é hora de cuidar do pós-operatório e tudo deve ser seguido a risca para evitar cicatrizes, inflamações e inchaços. Leia alguns cuidados essenciais:

– Repouso.

– Siga as instruções do médico para movimentos na área operada.

– Medicamentos e dor: pergunte ao médico quais remédios você pode tomar em caso de dor e tome  nos horários corretos.

– Curativos: volte a clínica para troca de curativos nos dias agendados.

– Alimentações leves.

– Veja com o médico como será o procedimento de banho. Se a recomendação for não lavar o local, não lave.

– Veja se você pode fazer tratamento de drenagem linfática na área para evitar hematomas.

– Use cintas sempre que for possível e indicado.

– Não se preocupe com as formas intermediárias nas diversas fases.

Fonte: www.cirugiaplastica.com.br

Acesse: www.eriknery.com.br e agende seu horário

Brasileiras fazem uma cirurgia de aumento de mama a cada 5 minutos

A lei da gravidade é implacável também com os seios femininos, e uma hora eles caem. Muitas mulheres recorrem às próteses de mama, que exigem alguns cuidados na anestesia, na cirurgia e no pós-operatório.

O silicone não serve só para aumento de mama, mas também para modificar a forma e corrigir eventuais irregularidades, como assimetrias (que atingem 30% das mulheres). Aos 18, 19 anos, os seios param de crescer. Se eles caírem, existe cirurgia, que não precisa incluir silicone.

As próteses de mama foram criadas nos anos 1960 por um cirurgião inglês e, na época, eram mais duras e redondas, feitas de silicone líquido e material sintético. Até o início dos anos 2000, os modelos mais vendidos não chegavam a 200 ml. Hoje, os mais pedidos e usados são os de perfil alto e 300 ml. E há também os implantes ajustáveis.

O maior problema, em geral, é uma rejeição do organismo da mulher. Por isso, a cirurgia precisa ser feita com um profissional qualificado. A grande oferta tem ajudado a baixar o preço médio dos implantes, que hoje já podem ser pagos em até 12 parcelas.

Cuidados no pós-operatório

Pode haver dor nos primeiros dias, ainda mais com movimentação dos membros superiores, o que é controlado com analgésicos. É recomendado um sutiã de maior contenção das mamas.

Fazer ginástica só é permitido a partir de um mês, com consentimento médico. Membros superiores não devem ser trabalhados. Com o aumento abrupto das mamas, as estrias pré-existentes podem se tornar mais salientes.

SUS

Segundo o Ministério da Saúde, em 2010 foram realizadas 1.704 cirurgias de plástica mamária pelo Sistema Único de Saúde (SUS), o que representa mais que o dobro do total de 2007 (786). O governo investe cerca de R$ 1,5 milhão por ano para o custeio desse tipo de atendimento.

A cirurgia é indicada para os seguintes casos:

- Reconstrução da mama após diagnóstico de câncer (pós-mastectomia com implante de prótese)
– Filarioses (doença parasitária em que um dos tipos é conhecido como elefantíase ou filariose linfática)
– Lipodistrofia na região da mama (distribuição anormal da gordura corporal)
– Hipertrofia (aumento) da mama
– Ausência congênita dos seios
– Outras malformações congênitas da mama
– Queimadura de terceiro grau e/ou sequelas de queimaduras

Vale lembrar que essa é uma cirurgia indicada não apenas às mulheres – os homens também podem fazer plástica mamária pelo SUS em casos de lipodistrofia e hipertrofia.  A lipodistrofia atende, ainda, pacientes com HIV, pois o uso de antirretrovirais pode resultar no problema.

Fonte: http://g1.globo.com/bemestar/noticia/

Dicas para quem vai fazer implantes de silicone

Implantes de Silicone

Com a chegada do outono, acontece um aumento natural na busca pela sonhada e tão planejada cirurgia plástica – segundo a  Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica o índice chega a subir cerca de 50% durante o período das férias escolares.

implantes silicone

1. Escolha um especialista habilitado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP).
2. Fale com quem já foi operada pelo médico.
3. Certifique-se de que o hospital é bem equipado.
4. Siga à risca as orientações do pré-operatório.
5. Leve para o hospital o sutiã cirúrgico.
6. Esqueça o implante da moda, da famosa ou da sua amiga.
7. Veja se os contras da operação pesam menos do que os prós.
8. Cerca de cinco anos depois da cirurgia e depois de amamentar volte ao médico para ver se é preciso reposicionar a prótese.
9. Tenha em mente que seus seios não ficarão como na adolescência.
10. Desconfie se o preço for baixo demais e você só for apresentada ao médico no dia da operação.

Fonte: http://mulher.uol.com.br/beleza/noticias/

Dúvidas frequentes: Implante de mama

Constituído de membrana fina de elastômero de silicone preenchida por gel de silicone de alta coesividade e de superfície lisa.

~> Existe mais de um tipo de implante de mama?

Sim. Os implantes podem ser apresentados em diversas formas e revestimentos para atender às necessidades do cirurgião e de suas pacientes. Os implantes Silimed possuem superfície lisa, texturizada ou revestida de poliuretano. Podem ser redondos ou anatômicos e também variam quanto ao perfil.

~> O que é mamoplastia de aumento?

A mastoplastia é o mesmo que a cirurgia de aumento de mama, que pode ser realizada com finalidade estética ou reparadora. Este procedimento é um dos mais utilizados na cirurgia plástica atualmente.

~> Quais tipos de incisão são usados para aumento de mama?

Além das incisões axilar (posicionada junto à axila), transareolar (posicionada no meio da aréola – bico do seio) e periareolar (posicionada na metade inferior da aréola), a incisão no sulco inframamário (abaixo das mamas) é a opção mais usada.

~> E quanto ao posicionamento do implante? 

Nas cirurgias de aumento de mama, o implante pode ser posicionado tanto abaixo do tecido glandular (retroglandular) como abaixo do músculo (retromuscular). Na reconstrução mamária, o posicionamento do implante vai depender dos aspectos oncológicos da paciente. Seu médico vai lhe informar a melhor posição para o seu caso.

~> Um implante de mama pode alterar minha aparência? 

Sim. O aumento da mama melhora a aparência de acordo com o biotipo de cada paciente. Os implantes mamários também podem proporcionar uma sensação e uma aparência bastante natural aos seios reconstruídos.

~> Posso decidir sobre o tamanho do implante que desejo usar?

Ao escolher um implante mamário, existem vários fatores a se considerar além do seu tamanho. Estes fatores incluem o contorno desejado, a largura pré-operatória da mama, o volume, a projeção, a largura do tórax e seu biotipo. O cirurgião, após uma avaliação criteriosa, poderá indicar o tipo de prótese que irá proporcionar os melhores resultados.

~> A prótese de silicone pode aumentar as estrias e vasos sanguíneos das mamas?

Sim, com o aumento abrupto das mamas, as estrias pré-existentes podem se tornar mais salientes. Contudo, quando o cirurgião respeita as proporções da mama, o tipo de pele e o volume do implante, os riscos se tornam menores.

~> Haverá algum problema com minha amamentação?

O implante não acarreta alterações na amamentação, pois este é colocado atrás da glândula mamária ou atrás do músculo.
Contudo, é recomendado que a paciente espere aproximadamente um ano após o período de amamentação para realizar a cirurgia de aumento das mamas.

~> É possível detectar um tumor em mamas com implantes? 

O especialista deve ser sempre alertado quanto ao uso de implantes. Caso o implante dificulte o diagnóstico da mamografia, o especialista pode utilizar uma manobra especial que, basicamente, empurra o implante para trás, deixando livre a glândula mamária. Outra técnica que se recomenda para as mulheres com implantes é a ecografia mamária, que também detecta pequenas lesões não palpáveis.

Fonte: http://www.silimedbrasil.com.br

Opções Cirúrgicas: Redução da Área Calva e Retalhos

A redução da área calva é uma cirurgia que remove um segmento da pele calva, habitualmente do topo do couro cabeludo e da coroa. A cirurgia de retalho é aquela pela qual um retalho de couro cabeludo é transferido da parte lateral e posterior do couro cabeludo, permanecendo presa à área lateral da têmpora.

Desse ponto fixo na têmpora o retalho recebe sua nutrição. Essa faixa de tecido gira então em torno de sua base, sendo suturada ao longo da linha frontal. A redução de área calva e os retalhos são cirurgias menos freqüentes nessa era de grandes sessões de pequenos enxertos. No caso de pacientes com o tipo ideal de couro cabeludo e calvície, os prós e contras dessas cirurgias devem ser discutidos com um cirurgião que tenha experiência nessas técnicas.

Como saber se sou um bom candidato à cirurgia de transplante de cabelos?

 Os fatores determinantes para o médico avaliar se um paciente é um bom candidato à cirurgia de transplante de cabelos incluem por exemplo: o estado de saúde do paciente, a textura de seu cabelo (fino ou grosso), o contraste entre a cor do cabelo e a cordo couro cabeludo, a densidade, isto é, o número de folículos por centímetro quadrado na área doadora, o tamanho da área doadora e da área a ser recoberta, se o paciente já foi previamente submetido a transplantes de cabelo, seus objetivos e expectativas. Um diagnóstico acurado e decisões sobre tipo de tratamento requerem um exame clínico feito pelo médico e uma discussão franca com o paciente sobre suas perspectivas. O médico deverá fazer uma estimativa dos custos do procedimento ou procedimentos. O paciente deve entender que o transplante de cabelos redistribui os folículos existentes e não tem o poder de criar novos folículos.

 Quais são os tratamentos clínicos atualmente disponíveis?

A Finasterida (Propecia ®) medicação oral de prescrição médica, foi introduzida no mercado na década passada. A Finasterida oral foi aprovada apenas para o uso masculino. Estudos científicos demonstraram o renascimento de cabelos em um numero significativo de homens e a parada de queda de cabelo em uma porcentagem ainda maior. A ação da Finasterida faz diminuir a formação da DHT (Dihidro Testosterona), um hormônio em grande parte responsável pela calvície

hereditária masculina. Essa ação não afeta a Testosterona, o hormônio responsável pela masculinidade. Por essa razão, qualquer efeito secundário que possa envolver disfunção sexual masculina é moderado e ocorre em menos de 2% dos pacientes que fazem uso dessa substância. A Finasterida está no mercado
há 10 anos tendo se mostrada segura e eficiente. A Finasterida (Propecia ®) funciona melhor na fase inicial da calvície ou na perda moderada de cabelos, podendo também ser usada para ajudar os pacientes com perda mais avançada de cabelos com o objetivo de preservar seus cabelos remanescentes. Seu uso é sugerido pelos cirurgiões de transplante de cabelos como uma medicação eficiente para deter ou reverter a perda de cabelos na calvície hereditária masculina em muitos homens. É freqüentemente utilizada com tratamento complementar dos pacientes submetidos ao transplante. O Minoxidil tópico (Rogaine® ) está no mercado há 15 anos, demonstrando eficiência em diminuir a queda de cabelos porém menos eficaz em promover novo crescimento de cabelos. A concentração maior (solução a 5%) está agora disponível para homens e se mostrou mais eficaz do que a solução a 2%. A solução a 5% geralmente não é recomendada para mulheres pois pode estimular o crescimento de pelos na face e também porque alguns estudos sugerem que nas mulheres não é mais eficaz do que a solução a 2%. Tanto a Finasterida como o Minoxidil devem ser usados de maneira contínua para manter os resultados. Caso a medicação seja suspensa, a evolução da calvície recomeça. Essas medicações podem não funcionar para todas as pessoas, no entanto ambas tem relatos provados de evolução demonstrando uma melhora significativa em muitos pacientes. O tratamento combinado com solução de Minoxidil e Finasterida oral pode prover um benefício adicional para homens com calvície hereditária.

 Como encontro um cirurgião qualificado para transplante de cabelos?

 A Sociedade Internacional de Cirurgia de Restauração Capilar (International Society of Hair Restoration Surgery – ISHRS) é a maior sociedade no gênero dedicada ao avanço dos conhecimentos e das técnicas relacionadas ao transplante de cabelos. A ISHRS pode fornecer o nome e endereço dos cirurgiões especialistas em restauração capilar perto de você.

 Fonte: International Society of Hair Restoration Surgery